quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS PARA O ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO


SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS PARA O ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO


SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS PARA O ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO


SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE POLÍTICAS PARA O ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO

Projetos de pesquisa


Análise das políticas e do clima/ambiente para o Esporte de Alto Rendimento nos diferentes níveis de organização governamental e não governamental brasileiros


A pesquisa realizada foi fundamentada no modelo SPLISS, o qual é baseado em nove pilares que levam ao sucesso esportivo internacional

Cada pilar do modelo SPLISS é composto por determinados Indicadores com seus respectivos Fatores Críticos de Sucesso (FCS):
  • Pilar 1 – Suporte financeiro para o Esporte e o Esporte de alto rendimento, composto por 4 Indicadores e 13 Fatores Críticos de Sucesso (FCS).
  • Pilar 2 – Governança, Estrutura e Organização de políticas para o esporte - Uma abordagem integrada para o desenvolvimento da política, composto por 6 Indicadores e 22 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 3 – Participação e Esporte de Base , composto por 3 Indicadores e 21 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 4 – Identificação de Talentos e Sistemas de Desenvolvimento, composto por 5 Indicadores e 22 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 5 – Apoio à carreira esportiva e pós-carreira esportiva, composto por  04 Indicadores e 9 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 6 – Estrutura de Treinamento e Infraestrutura, composto por 03 Indicadores e 09 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 7 - Suporte e Desenvolvimento dos técnicos – 4 Indicadores e 17 Fatores Críticos de Sucesso .
  • Pilar 8 – Competições Nacionais e Internacionais - 3 Indicadores, 8 Fatores Críticos de Sucesso.
  • Pilar 9 – Pesquisa científica e inovação – 2 Indicadores e 10 Fatores Críticos de Sucesso.
Com base no modelo SPLISS, através da pesquisa realizada, foi possível fazer um levantamento no nível nacional sobre a situação financeira, a gestão, a participação esportiva, os programas de identificação de talentos esportivos, o desenvolvimento da carreira dos atletas de alto rendimento, a formação dos técnicos de alto rendimento, as instalações esportivas para o esporte de alto rendimento,  o papel da competição nacional e internacional e a relação da ciência com o esporte de alto rendimento.
Estes resultados foram comparados com os dados dos outros quinze países participantes da pesquisa e indicam alguns pontos em que precisamos aprimorar o Esporte de alto rendimento brasileiro para ser mais competitivo no cenário internacional.
De acordo com os resultados referentes ao Pilar 2, “Governança, Estrutura e Organização de políticas para o esporte - Uma abordagem integrada para o desenvolvimento da política” a estrutura do esporte de alto rendimento brasileiro é complexa, dependente dos 3 níveis de organização governamental (federal, estadual e municipal) e não governamental (COB/ confederações no nível nacional, Federações no nível estadual e entidades de prática esportiva no nível regional/municipal, conforme apresentado na figura 2. Verificou-se também, que existe dificuldades de comunicação, ou até mesmo a inexistência da mesma tanto no sentido horizontal, entre as organizações governamentais e não governamentais, assim como no sentido vertical, entre os níveis nacional, estadual e municipal de organização do sistema esportivo brasileiro.
Aliado a estes aspectos, devemos também considerar que o Brasil possui uma extensão territorial continental, com uma área total de 8.456.510 km2  e uma população de 193.946.886 pessoas, distribuídas de modo desigual em suas 5 regiões geográficas: 8 % na região norte, 27% na região nordeste, 7% na região centro oeste, 41 % na região sudeste e 14% na região sul. Trata-se de uma República Federativa composta por 26 estados, um distrito federal e 5565 cidades. É um país de contrastes sociais extremos; seu IDH varia em média de 0,72 a 0,83 entre as regiões nordeste e sul.
Estas diferenças também acontecem em relação ao esporte. Um levantamento dos melhores resultados esportivos em modalidades esportivas olímpicas brasileiras com bons resultados no contexto internacional como voleibol, natação, atletismo e judô, indica que os clubes ou entidades esportivas aos quais seus atletas representam, se concentram nas regiões sudeste e sul.
Neste contexto surgem as seguintes questões para serem respondidas por este projeto de pesquisa, em relação ao esporte de rendimento nos níveis estadual e municipal do sistema esportivo brasileiro, com relação às organizações governamentais e não governamentais das cinco regiões brasileiras:
  • Quais são os fatores políticos que explicam as diferenças de resultado no esporte de rendimento?
  • Como se dá o Suporte Financeiro para o esporte de alto rendimento?
  • Como é a Governança, a Estrutura e Organização de políticas para o esporte? Existe uma abordagem integrada para o desenvolvimento da política para o esporte?
  • Qual é o papel do Esporte participativo, do Esporte de Base, do Esporte Escolar e da Educação Física?
  • Existem programas para a Identificação e Sistemas de Desenvolvimento de Talentos Esportivos?
  • Existe Apoio à carreira esportiva e pós-carreira esportiva?
  • Como é realizado o Suporte e Desenvolvimento dos técnicos?
  • Qual o papel das Competições Nacionais e Internacionais nestes níveis de organização esportiva?
  • Como é a relação com a Pesquisa científica e a inovação tecnológica?
Pretende-se através do presente projeto de pesquisa obter respostas a estas perguntas, tendo como fundamentação teórica o modelo SPLISS de políticas para o sucesso internacional no esporte de alto rendimento, aplicado de forma adaptada em uma pesquisa  nacional, através de um diagnóstico dos Fatores  Críticos de Sucesso (FCS) dos indicadores de cada um dos nove pilares do modelo junto a cada uma das cinco regiões brasileiras, com relação às estruturas governamentais (papel do estado e do municipio) e não governamentais (papel das federações esportivas e de entidades de prática esportiva).
Será dado maior destaque aos pilares 3 e 4, respectivamente o papel  do esporte participativo, do esporte escolar e da Educação Física e suas relações com Programas de Identificação e desenvolvimento de talentos esportivos nos níveis municipal e estadual.

Objetivos

Objetivos Gerais

  1. Aumentar e melhorar o conhecimento sobre a efetividade de políticas das diferentes regiões brasileiras em relação ao esporte em geral e ao esporte de alto rendimento;
  2. Analisar o clima/ambiente geral para o esporte de alto rendimento para atletas, treinadores e gestores esportivos;
  3. Informar aos elaboradores de políticas e pesquisadores sobre o desenvolvimento nacional de política num ambiente competitivo crescente.

Objetivos específicos

  1. Verificar as relações e o papel  do esporte participativo, do esporte escolar e da Educação Física escolar com Programas de Identificação e desenvolvimento de talentos esportivos nos níveis municipal e estadual nas cinco regiões brasileiras;
  2. Analisar o papel do estado e do município, através de suas estruturas para a Educação Física e Práticas esportivas extra curriculares nos ciclos fundamental e médio, para o desenvolvimento do esporte escolar, do esporte participativo e do esporte de rendimento;
  3. Analisar o papel das federações, ligas, entidades de prática esportiva (clubes, associações, ONGs, etc) para o desenvolvimento do esporte participativo e de rendimento;
  4. Verificar as relações e comunicação entre as entidades governamentais e não governamentais para a promoção do esporte escolar e do esporte de base, assim como com programas de identificação e desenvolvimento de talentos esportivos para o esporte de alto rendimento;
  5. Permitir aos estados e municípios participantes realizarem benchmark dos mesmos com outros estados e municípios rivais no contexto do esporte de rendimento;
  6. Refinar um modelo teórico de fatores de política esportiva que levem ao sucesso nacional e melhorar o suporte metodológico para realizar comparações nacionais e internacionais;
  7. Desenvolver um ranqueamento de competitividade nacional da política de esporte de alto rendimento que possa ser usado pelos estados e municípios brasileiros para os mesmos possam se auto avaliarem perante critérios definidos que são considerados fatores chaves importantes de sucesso na política para o esporte, e especificamente para o esporte de alto rendimento.

Metas e resultados esperados

  1. Obter dados reais sobre a estrutura e políticas para o esporte de alto rendimento nos diferentes níveis de organização governamental e não governamental brasileiros, que possibilitarão um melhor entendimento para e elaboração de políticas mais integradas para a área esportiva;
  2. Ter dados do Brasil que poderão ser comparados cientifica e internacionalmente com outros países sobre a gestão e as políticas para o esporte de alto rendimento, que permitirão verificar como o nosso país se encontra no contexto internacional;
  3. Possibilitar a formulação de políticas e ações mais efetivas para o desenvolvimento do esporte brasileiro, desde o processo educacional esportivo de formação inicial, até o esporte de rendimento e de alto rendimento;
  4. Verificar quais são os quesitos de gestão pela qualidade que são atendidos e utilizados na gestão do de programas de detecção, seleção e promoção de seus talentos esportivos, o que possibilitará a elaboração de planos de ação mais eficientes  e eficazes para a área.

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


TEMPORADA DO TÊNIS


GRANADO


FESTA


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


CEOS DO FUTEBOL


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


AUCON MARKETING ESPORTIVO LIGADA NO ESPORTE


ORGULHO DE SER GUARANI


TURISTA


DESERTO


CAMISA F. C.


CAMISA JOGUE BOLA


PRATIQUE ESPORTES


MITSUBISHI


domingo, 10 de janeiro de 2016

CAPACETE


CADERNOS E AGENDAS


EVOLUÇÃO DA BASE DO PALMEIRAS


SAMPA 462


RESPIRE ARES DE MUDANÇA


ESTRÉIAS MARCADAS NA LIBERTADORES 2016


NATAÇÃO


CRUZEIRO


GESTÃO DO ESPORTE


GESTÃO DO ESPORTE


CIGESP 2015





COPA SÃO PAULO JÚNIOR 2016


FÓRMULA INTER 2016


FÓRMULA INTER 2015




RETROSPECTIVA 2015